top of page

Desmistificando a Falsa Alegação: A Cachaça Brasileira em Ascensão Internacional

Copo de cachaça com bandeira do Brasil

Recentemente, o site americano TasteAtlas gerou polêmica ao classificar a Cachaça como a segunda pior bebida do Brasil. Entretanto, ao analisarmos os números e estudos sobre a Cachaça, percebemos que essa afirmação está longe da realidade. A Cachaça, uma das bebidas mais emblemáticas do Brasil, tem experimentado uma ascensão notável nos últimos anos, ganhando reconhecimento internacional e se consolidando como um destilado de alta qualidade.


Sobre a Pesquisa

Foram reunidos mais de 5 mil votos para compilar esse ranking abrangente. O portal, responsável pela eleição das melhores e piores comidas e bebidas ao redor do mundo, destaca a transparência do processo ao utilizar votos online, assegurando a exclusão de bots e monitorando cuidadosamente possíveis tentativas de fraude durante a votação. A escala do ranking varia de 0 a 5 estrelas, conferindo à caipirinha o título de melhor bebida, obtendo uma pontuação impressionante de 4,4. Em seguida, o rabo-de-galo, uma criação à base de cachaça, vermute, gelo e limão, recebeu uma sólida pontuação de 4,2 estrelas. As tradicionais batidas, preparadas com cachaça, açúcar e suco de fruta (ou leite de coco), completam o pódio com uma nota respeitável de 4,1. A cachaça, por outro lado, figura como a segunda pior do ranking, com uma pontuação de 3,7, enquanto a catuaba fecha a lista com 3,1 estrelas. Embora os resultados possam ser objeto de questionamento por parte dos brasileiros, o site enfatiza que a intenção não é rotular as bebidas como boas ou ruins. É importante dizer que o TasteAtlas Rankings não tem por objetivo ser a conclusão final sobre alimentação. Sua intenção é elevar o reconhecimento da excelente comida local, inspirar orgulho nos pratos tradicionais e despertar a curiosidade por sabores que ainda não foram explorados.


A Evolução da Cachaça: De Desconhecida a Destaque Global

Destilada a partir da cana-de-açúcar, a cachaça tem raízes profundas na história brasileira, remontando a 1502, quando os portugueses introduziram a cana-de-açúcar e as técnicas de destilação. No entanto, só recentemente a bebida começou a receber o reconhecimento merecido internacionalmente.

Atualmente, a cachaça é o terceiro destilado mais consumido no mundo, movimentando impressionantes R$ 15,5 bilhões anualmente no Brasil. Apesar disso, os números poderiam ser ainda mais expressivos, considerando a capacidade produtiva do país. O Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac) aponta que o Brasil pode produzir até 1,2 bilhão de litros anualmente, mas a produção atual está em torno de 800 milhões de litros, indicando um potencial significativo de crescimento.


Desenho ilustrando um engenho de cana antigo

Raízes Históricas e Produção Atual

A história da cachaça no Brasil é fascinante, com os primeiros engenhos de açúcar surgindo em Pernambuco entre 1516 e 1526. A produção de cachaça, resultante da fermentação e destilação da cana-de-açúcar, começou nesse contexto, consolidando-se como o primeiro destilado produzido em larga escala na América.

No mercado atual, a cachaça brasileira é diversificada, com 936 produtores formalizados e mais de 4.969 rótulos, principalmente concentrados na região Sudeste, responsável por 66,2% da produção nacional.


GrAFICO colorido mostrando as proporções da exportação  para cada pais

Expansão Internacional e Potencial de Exportação

Apesar do recente mal-entendido propagado pelo site americano, a cachaça brasileira tem conquistado mercados internacionais. Em 2022, as exportações alcançaram um faturamento de US$ 18,47 milhões, representando um aumento notável de 54,74% em relação a 2021. Esses números continuaram a crescer no primeiro semestre de 2023, demonstrando o potencial contínuo da cachaça no mercado global.

O sucesso internacional da cachaça não é apenas uma coincidência, mas o resultado de estratégias eficazes, como o Projeto Setorial "Cachaça: Taste the New, Taste Brasil", promovido pela ApexBrasil em parceria com o IBRAC. Essas iniciativas têm desempenhado um papel crucial no crescimento das exportações, gerando reconhecimento e competitividade no cenário internacional.


Foto de tres copo de shot e a logo PEIEX AGRO

Compromisso com a Qualidade e Sustentabilidade

O sucesso da cachaça brasileira no mercado global não se resume apenas a estratégias de promoção, mas também à qualidade da bebida. Iniciativas como o Programa de Qualificação para Exportação de Cachaça (PEIEX Agro Cachaça), em colaboração com o IBRAC, capacitam empresas para competirem no mercado internacional, garantindo que atendam às demandas específicas de cada região.

O Brasil é pioneiro na produção e exportação de cachaça, enviando a aguardente para quase 100 países diferentes ao redor do mundo. Dados recentes de exportação de cachaça, considerando o período de janeiro a julho de 2023, mostram um contínuo crescimento, reforçando a posição da cachaça brasileira como uma potência no mercado internacional.


Logo de diversas premiações internacionais

A Cachaça Brasileira Desafia Estereótipos

Em suma, a cachaça brasileira é muito mais do que uma simples bebida alcoólica. Ela representa a rica história e cultura do Brasil, além de ser um produto de alta qualidade que tem conquistado paladares ao redor do mundo. Apesar de alguns equívocos pontuais, os números e estudos mostram que a cachaça é uma joia do patrimônio brasileiro e um tesouro que merece ser apreciado e celebrado. Ao invés de ser rotulada como a segunda pior bebida do Brasil, a cachaça merece destaque como uma das melhores e mais promissoras bebidas destiladas do mundo.


E aí, você concorda que a Cachaça é a 2a. pior bebida do Brasil?

  • 0%Sim

  • 0%Não





Commenti


bottom of page